segunda-feira, 27 de julho de 2015

TOP 50 - ANOS 1990


1. O Show de Truman, de Peter Weir


2. Pulp Fiction - Tempos de Violência, de Quentin Tarantino


3. Edward Mãos-de-Tesoura, de Tim Burton


4. Tudo Sobre Minha Mãe, de Pedro Almodóvar 


5. Seven - Os Sete Crimes Capitais, de David Fincher


6. Violência Gratuita, de Michael Haneke


7. Os Bons Companheiros, de Martin Scorsese 


8. Antes do Amanhecer, de Richard Linklater


9. Balas sobre a Broadway, de Woody Allen 


10. A Fraternidade é Vermelha, de Krzysztof Kieslowski


11. O Sexto Sentido, de M. Night Shyamalan


12. O Silêncio dos Inocentes, de Jonathan Demme


13. Ondas do Destino, de Lars Von Trier


14. Quero Ser John Malkovich, de Spike Jonze


15. Gosto de Cereja, de Abbas Kiarostami


16. Amores Expressos, de Wong Kar-Wai


17. Clube da Luta, de David Fincher


18. Beleza Americana, de Sam Mendes


19. Estrada Perdida, de David Lynch


20. Magnólia, de Paul Thomas Anderson


21. Poderosa Afrodite, de Woody Allen


22. Drácula de Bram Stoker, de Francis Ford Coppola


23. Um Misterioso Assassinato em Manhattan, de Woody Allen


24. Segredos e Mentiras, de Mike Leigh


25. Crash - Estranhos Prazeres, de David Cronenberg


26. Fim de Caso, de Neil Jordan


27. Central do Brasil, de Walter Salles


28. Os Imperdoáveis, de Clint Eastwood


29. Toy Story, de John Lasseter


30. Simplesmente Alice, de Woody Allen


31. De Olhos Bem Fechados, de Stanley Kubrick


32. O Piano, de Jane Campion


33. Fargo, de Joel & Ethan Coen


34. A Lista de Schindler, de Steven Spielberg


35. Garotos de Programa, de Gus Van Sant


36. A Vida é Bela, de Roberto Benigni


37. Louca Obsessão, de Rob Reiner


38. Razão e Sensibilidade, de Ang Lee


39. Filhos da Guerra, de Agnieszka Holland


40. Thelma & Louise, de Ridley Scott


41. Titanic, de James Cameron


42. O Paciente Inglês, de Anthony Minghella


43. Ed Wood, de Tim Burton


44. Além da Linha Vermelha, de Terrence Malick


45. O Violino Vermelho, de François Girard


46. Corra, Lola, Corra, de Tom Tykwer


47. Cães de Aluguel, de Quentin Tarantino


48. Boogie Nights - Prazer Sem Limites, de Paul Thomas Anderson


49. Desconstruindo Harry, de Woody Allen


50. Cassino, de Martin Scorsese

MENÇÕES HONROSAS DA DÉCADA
(em ordem de preferência)

Coração Selvagem, de David Lynch
Lua de Fel, de Roman Polanski
Missão: Impossível, de Brian De Palma
A Igualdade é Branca, de Krzystof Kieslowski
Matrix, de Andy & Lana Wachowski
 O Poderoso Chefão - Parte III, de Francis Ford Coppola
 Barton Fink - Delírios de Hollywood, de Joel & Ethan Coen
Nu, de Mike Leigh
Caro Diário, de Nanni Moretti
Underground - Mentiras de Guerra, de Emir Kusturica

Não tiro a razão de vocês caso acharem que esta lista é meio confusa, misturada, bagunçada, ou, até de fato, desorientada. Mas essa lista é muito pessoal minha. Não estranhem as seleções. Os filmes que estrelam essa lista são de uma grande importância pra mim. Àqueles que se aproximam do primeiro lugar, então, possuem um valor sentimental indiscutível. E, é claro, o primeiro lugar também. Quando vi O Show de Truman pela primeira vez fiquei muito emocionado e vislumbrado. Era um dia chuvoso, estava muito frio, e eu coloquei o filme para ver, e sua magnífica visão me deixou desconcertado. Até hoje vibro com ele. Nada mais justo, em minha opinião, do que colocá-lo no topo dessa lista. É meu filme favorito lançado na década e um dos melhores que eu já vi em toda a minha vida. Delicado, doce, competente, tem Jim Carrey na melhor performance de sua carreira, que surpreendentemente não é, de todo, uma comédia, e sim um drama. 

O segundo lugar, que também poderia dividir um empate com O Show de Truman, ficou com Pulp Fiction - Tempos de Violência. Sei que pode soar meio favoritismo e tal colocá-lo logo atrás do primeiro lugar, mas Pulp Fiction é realmente um de meus filmes prediletos, e, perdendo apenas para Bastardos Inglórios, o melhor trabalho desse gênio verborrágico cujo cinema é um triunfo único. Aliás, Tarantino volta a aparecer na lista com Cães de Aluguel, seu primeiro filme, talvez o mais esquecidinho da carreira de Quentin, ao lado de À Prova de Morte, mas que é uma peça essencial da filmografia dele, um must-to-see! Outro título dessa lista que também é bem particular meu é Edward Mãos-de-Tesoura, de Tim Burton, que é meu conto de fadas cinematográfico predileto, e ocupa a terceira posição desta lista. Digam o que quiser: que é bobo, chato, ridículo, maçante, desnecessário, ruim e o que mais der... É um filme muito, mas muito especial pra mim. Não só possui uma história pra lá de incrível e sensível como também é um dos trabalhos mais belos e fabulosos de um diretor cujo obscuro estilo não tão inusualmente é quem ganha poder nas telas do cinema. 

Tudo Sobre Minha Mãe funciona quase do mesmo jeito. Possuo uma admiração por essa obra de Almodóvar que só de falar já temo me emocionar. É um filme lindo, em todos os aspectos, não só pela sua narrativa excepcional como também pelo sua dignidade e competência espetacular. Seven - Os Sete Crimes Capitais é o melhor e mais impactante suspense da década de 90. Um dos primeiros trabalhos do hoje representante de sua geração David Fincher é, sem dúvida, um filme pra lá de bom, com um roteiro bem trabalho e um elenco talentoso demais pra conta. Violência Gratuita, terror psicológico, precede o thriller. Com um clima intenso e bem instável, Michael Haneke construiu uma obra sem limites, no bom sentido, que faz tudo ao seu alcance para deixar o público, praticamente, "cagando nas calças". Merece estar na lista, e figurar os dez melhores da década, por que é um filme chocante e virtuosíssimo. Os Bons Companheiros, clássico do Scorsese, nem precisa de argumento. Só vale dizer o quão grande é o seu legado e sua enorme potência para resumir de vez os mil e um motivos para a sua aparição quase obrigatória nessa lista. Antes do Amanhecer, o primeiro filme da trilogia mais romântica de todos os tempos, é uma obra sem igual, de um porte singular e único. O encontro mágico de Celine e Jesse em Viena, durante um embarque de trem onde o rapaz implora para a moça acompanhá-lo, é sem dúvida um dos contos românticos mais apaixonantes já feitos, e o melhor romance de sua geração. Pode soar estranho para quem não conhece minha paixão por Woody, mas Balas sobre a Broadway é o melhor filme feito pelo cineasta na década de 90, e um de seus melhores e mais excelentes trabalhos. Balas sobre a Broadway não exagera, e também não apela, o que ele já corria risco. É uma comédia com vida própria, inusitada e engraçadíssima. Com um elenco desses também, né... Até vale dizer "nem vale"! E, para encerrar o Top 10, A Fraternidade é Vermelha, que encerra a "trilogia das cores" do diretor Krzysztof Kieslowski. Visto uma vez, nunca mais nos esquecemos dele. Comove e simplesmente toca. É um filme que fala tanto que acaba te impedindo de falar sobre ele...

Nenhum comentário:

Postar um comentário