sábado, 3 de março de 2018

Oscar 2018 — Apostas Finais




MELHOR FILME
quem vai ganhar: Corra!
quem pode: Três Anúncios para um Crime
quem surpreenderia: A Forma da Água
quem merece: Corra!
quem faltou: Projeto Flórida

MELHOR DIRETOR
quem vai ganhar: Guillermo del Toro — A Forma da Água
quem pode: Greta Gerwig — Lady Bird
quem surpreenderia: Jordan Peele — Corra!
quem merece: Jordan Peele — Corra!
quem faltou: Sean Baker — Projeto Flórida

MELHOR ATRIZ
quem vai ganhar: Frances McDormand — Três Anúncios para um Crime
quem pode: Saoirse Ronan — Lady Bird
quem surpreenderia: Sally Hawkins — A Forma da Água
quem merece: Saoirse Ronan — Lady Bird
quem faltou: Daniela Vega — Uma Mulher Fantástica

MELHOR ATOR
quem vai ganhar: Gary Oldman — O Destino de uma Nação
quem pode: Daniel Day-Lewis — Trama Fantasma
quem surpreenderia: Timothée Chalamet — Me Chame pelo seu Nome
quem mereceChalamet/Day-Lewis
quem faltou: Robert Pattinson — Bom Comportamento

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
quem vai ganhar: Allison Janney — Eu, Tonya
quem pode: Laurie Metcalf — Lady Bird
quem surpreenderia: Lesley Manville — Trama Fantasma
quem merece: Metcalf/Janney/Manville
quem faltou: Bria Vinaite/Brooklynn Prince — Projeto Flórida

MELHOR ATOR COADJUVANTE
quem vai ganhar: Sam Rockwell — Três Anúncios para um Crime
quem pode: Willem Dafoe — Projeto Flórida
quem surpreenderia: Christopher Plummer — Todo o Dinheiro do Mundo
quem merece: Willem Dafoe — Projeto Flórida
quem faltou: Steve Carell/Bryan Cranston/Laurence Fishburne — A Melhor Escolha

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
quem vai ganhar: Corra!
quem pode: Três Anúncios para um Crime
quem surpreenderia: Lady Bird
quem merece: Corra!
quem faltou: Projeto Flórida

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
quem vai ganhar: Me Chame pelo seu Nome
quem pode: Mudbound
quem surpreenderia: Artista do Desastre
quem merece: Me Chame pelo seu Nome
quem faltou: A Morte de Stalin

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
quem vai ganhar: Uma Mulher Fantástica
quem pode: The Square
quem surpreenderia: O Insulto
quem merece: Uma Mulher Fantástica
quem faltou: 120 Batimentos por Minuto

MELHOR DOCUMENTÁRIO
quem vai ganhar: Visages Villages
quem pode: Last Men in Aleppo
quem surpreenderia: Strong Island
quem merece: Visages Villages
quem faltou: Ex Libris

MELHOR ANIMAÇÃO
quem vai ganhar: Viva!
quem pode: The Breadwinner
quem surpreenderia: O Touro Ferdinando
quem merece: Viva!
quem faltou: In this Corner of the World

MELHOR TRILHA SONORA
quem vai ganhar: A Forma da Água
quem pode: Trama Fantasma
quem surpreenderia: Dunkirk
quem merece: Trama Fantasma
quem faltou: Lady Bird

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
quem vai ganhar: "Mighty River" (Mudbound)
quem pode: "Remember Me" (Viva!)
quem surpreenderia: "Mystery of Love" (Me Chame pelo seu Nome)
quem merece: "Mighty River"
quem faltou: não faço a menor ideia

MELHOR FOTOGRAFIA
quem vai ganhar: Blade Runner 2049
quem pode: A Forma da Água
quem surpreenderia: Mudbound
quem merece: Blade Runner 2049 Mudbound
quem faltou: Roda Gigante 

MELHOR EDIÇÃO
quem vai ganhar: Em Ritmo de Fuga
quem pode: Dunkirk
quem surpreenderia: Eu, Tonya
quem merece: Em Ritmo de Fuga
quem faltou: Detroit em Rebelião

MELHOR FIGURINO
quem vai ganhar: Trama Fantasma
quem pode: A Forma da Água
quem surpreenderia: A Bela e a Fera
quem merece: Trama Fantasma
quem faltou: O Estranho que nós Amamos

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO
quem vai ganhar: A Forma da Água
quem pode: Blade Runner 2049
quem surpreenderia: O Destino de uma Nação
quem merece: Blade Runner 2049
quem faltou: Sem Fôlego

MELHOR MAQUIAGEM E PENTEADOS
quem vai ganhar: O Destino de uma Nação
quem pode: Extraordinário
quem surpreenderia: Victoria & Abdul
quem merece: O Destino de uma Nação
quem faltou: A Forma da Água

MELHORES EFEITOS VISUAIS
quem vai ganhar: Blade Runner 2049
quem pode: Planeta dos Macacos: A Guerra
quem surpreenderia: Star Wars: Os Últimos Jedi
quem merece: Blade Runner 2049
quem faltou: Okja

MELHOR EDIÇÃO DE SOM
quem vai ganhar: Dunkirk
quem pode: Blade Runner 2049
quem surpreenderia: A Forma da Água
quem merece: Dunkirk
quem faltou: John Wick — Um Novo Dia para Matar

MELHOR MIXAGEM DE SOM
quem vai ganhar: Dunkirk
quem pode: Em Ritmo de Fuga
quem surpreenderia: Blade Runner 2049
quem merece: Dunkirk
quem faltou: Detroit em Rebelião

O Oscar deste domingo tem tudo para ser memorável. Afinal, quando foi a última vez que na categoria de melhor filme apostamos na produção que era, de fato, a melhor da lista? Eu, sinceramente, não me recordo. Corra! tem mil e um motivos pra ganhar. Não estou falando do momento, da causa, das aspirações ativistas de Hollywood em voga com a indústria. Não (embora seja uma questão válida no contexto participativo da indústria e na influência direta que isso tem na escolha dos vencedores). O caso é que Corra! — filme de estreia de um cineasta estreante, Jordan Peele, que teve dificuldades para angariar fundos para a produção independente e que passou quase 5 anos desenvolvendo o roteiro — é um filme que não faz muito sentido estar onde está, embora seja, de fato, um dos maiores filmes americanos do ano (se não for o maior, é claro). Tecnicamente, é um filme de terror voltado para uma crítica corrosiva e poderosa à cultura racista, que o faz com o brilhantismo de pouquíssimos longas recentes. É uma vitória que parece estar realmente acontecendo e com a devida justiça que essa obra deveria receber. É claro, nós temos o calor do momento, que sempre vai contar nos votos, mas, como eu disse, ficar re-frisando os vícios da indústria quando já estamos estourados de tantos exemplos é o mesmo que chover no molhado. 

Como seu potencial concorrente, Três Anúncios para um Crime, filme que mistura humor negro e drama para contar a história de uma mãe buscando vingança pela morte da filha numa cidadezinha do interior, arrecadou inúmeros prêmios e um favoritismo absurdo em categorias de atuação e roteiro. É cotado para melhor filme (e tem muitas razões para sê-lo) mas de alguma forma o filme, nos caminhos pedregosos que toma, pode não soar tão apropriado, já que sua tendência é dividir mais do que chegar a uma unanimidade. Então, isso já entra como uma inclinação desfavorável, mas não totalmente desqualificadora.

Vale lembrar que, do lado desses dois filmes, A Forma da Água surge com peso (sendo o líder de indicações dessa edição) e um favoritismo quase unânime, embora duvidável — e isso pode ser dito até mesmo em vista da presença dele em diversos prêmios, que por um lado o garantiu arrebatadores reconhecimentos e, por outro, o distanciou de outros (ausentou-se no SAG, esnobado no BAFTA e Globo de Ouro — porém, vencedor do PGA, prêmio importante que, em contrapartida, teve seu último vencedor repetido no Oscar há três anos). Seu diretor, Del Toro, é um favorito inegável. Quanto ao filme, restam dúvidas, mas ainda sobra uma centelha de esperança para que a "fábula adulta" do cineasta mexicano acabe fazendo a noite desse Oscar 2018. Não é impossível, de todo modo. Aliás, segundo minhas previsões, vai acabar sendo o filme que mais vai levar Oscars nessa edição.

As categorias de atuação seguem tão misteriosas quanto previsíveis — esse é o ano em que todos os quatro vencedores parecem estar decididos, numa unanimidade atípica na história dessa temporada de premiações, quase escandalosa, pra dizer a verdade — mas eu prevejo que pelo menos em 1 dessas a Academia vai optar por uma outra escolha. É difícil dizer quem vai ser esnobado, mas eu não sei se é possível que as quatro escolhas permaneçam assim ao longo da temporada com um favoritismo tão inabalado. Chega a ser até chato, por um lado.

Este Oscar deve trazer reconhecimentos também para profissionais que há muito mereciam. Como é o caso de dois cineastas veteranos, a francesa Agnès Varda e o britânico James Ivory, e um cineasta com uma reputação mais atual, o mexicano Guillermo Del Toro, do diretor de fotografia Roger Deakins, do compositor Jonny Greenwood (este em uma rixa acirrada com Alexandre Desplat), da atriz Allison Janney (outrora esnobada injustamente por tantos bons papéis coadjuvantes como em Margaret e Distante Nós Vamos), do injustiçado Gary Oldman, que surgiu como um inabalado frontrunner desde os primeiros momentos da temporada, e também (porém com menos chances), a atriz e diretora Greta Gerwig, confirmada como uma das mulheres mais influentes e importantes do cinema americano contemporâneo, que pode surpreender se ganhar um prêmio por dirigir ou escrever, o merecimento é incontestável, por mais que o filme esteja correndo por fora das apostas, mas com uma presença forte que com certeza pode ajudá-lo a sair com algum reconhecimento, se a Academia for generosa e justa esse ano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário