quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

PARASITA (2019)


À medida que a gente vai pensando nele, Parasita cresce. O filme que para muitos é o filme do ano veio com tudo, com todas as suas cenas marcantes, com seus personagens, com a riqueza da sua construção cinematográfica e com o seu significado para a nossa sociedade cada vez mais segregada pelas diferenças econômicas e pela desigualdade social. Parasita gira em torno dos sintomas de uma sociedade em ruptura, dividida pelas diferenças latentes que acentuam a luta de classes. Ele vem da Coreia do Sul, mas é universal em muitas camadas, de uma forma que ele tem refletido o momento político não só de um lugar ou de outro, mas profundamente característico do momento que muitas nações atravessam agora, com governos catalisadores das desigualdades e das tensões entre as classes, quando o privilégio e a riqueza ficam concentrados nas mãos de poucos.

Parasita é atual, refletor dos nossos tempos e das suas tensões sociais e políticas mais agudas, mas também é incisivo, ácido, quase corrosivo, seja ao sobrepor humor e drama, ou desenhando situações perto do absurdo, mas que são tão reais. As nuances são decoradas com risadas, estranhamento e sensibilidade. O resultado é uma obra de cinema incomparável e máxima. Parasita coleciona cenas gigantes e tem um dos trabalhos de mise-en-scène dos mais competentes e detalhistas. A cada passo que dá, a cada desenrolar, a impressão é a de que estamos assistindo aquelas duas famílias colidirem, ruírem, enquanto são consumidas pelas diferenças que compartilham. Essa colisão ganha proporções que, segundo o próprio protagonista, parecem ter saído de um sonho bizarro. Algo que fica suspenso entre uma realidade e outra. Parasita fala exatamente dessa lacuna entre os pobres e os ricos. O que está em xeque é a dimensão sistêmica e pandêmica dessa lacuna. O que explica a universalidade de Parasita é a sua precisão. É, sem dúvida alguma, o melhor do cinema sul-coreano em 2019. 

Parasita
Gisaengchung
dir. Bong Joon-ho (Coreia do Sul, 2019)

segunda-feira, 13 de janeiro de 2020

OSCAR 2020 — INDICADOS


MELHOR FILME

1917
O Irlandês
Parasita
Coringa
Ford vs. Ferrari
Adoráveis Mulheres
História de um Casamento
Jojo Rabbit
Era Uma Vez em... Hollywood

MELHOR DIREÇÃO

Sam Mendes — 1917
Bong Joon-ho — Parasita
Todd Phillips — Coringa
Martin Scorsese — O Irlandês
Quentin Tarantino — Era Uma Vez em... Hollywood

MELHOR ATOR

Joaquin Phoenix — Coringa
Adam Driver — História de um Casamento
Antonio Banderas — Dor e Glória
Leonardo DiCaprio — Era Uma Vez em... Hollywood
Jonathan Pryce — Dois Papas

MELHOR ATRIZ

Cynthia Erivo — Harriet
Saoirse Ronan — Adoráveis Mulheres
Renee Zellweger — Judy
Scarlett Johansson — História de um Casamento
Charlize Theron — O Escândalo

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Anthony Hopkins — Dois Papas
Brad Pitt — Era Uma Vez em... Hollywood
Tom Hanks — Um Lindo Dia na Vizinhança
Joe Pesci — O Irlandês
Al Pacino — O Irlandês

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Scarlett Johansson — Jojo Rabbit
Kathy Bates — Richard Jewell
Laura Dern — História de um Casamento
Margot Robbie — O Escândalo
Florence Pugh — Adoráveis Mulheres

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

Era Uma Vez em... Hollywood — Quentin Tarantino
História de um Casamento — Noah Baumbach
Parasita — Bong Joon-ho, Han Jin-won
1917 — Sam Mendes, Krysty Wilson-Cairns
Entre Facas e Segredos — Rian Johnson

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

Dois Papas — Anthony McCarten
O Irlandês — Steven Zaillian
Adoráveis Mulheres — Greta Gerwig
Jojo Rabbit — Taika Waititi
Coringa — Todd Phillips, Scott Silver

MELHOR FILME INTERNACIONAL

Parasita, Coreia do Sul — Bong Joon-ho
Dor e Glória, Espanha — Pedro Almodóvar
Les Misérables, França — Ladj Ly
Honeyland, Macedônia do Norte — Tamara Kotevska, Ljubomir Stefanov
Corpus Christi, Polônia — Jan Komasa

MELHOR DOCUMENTÁRIO

American Factory — Steven Bognar, Julia Reichert, Jeff Reichert
The Cave — Feras Fayyad, Kirstine Barfod, Sigrid Dyekjær
Democracia em Vertigem — Petra Costa, Joanna Natasegara, Shane Boris, Tiago Pavan
For Sama — Waad Al-Kateab, Edward Watts
Honeyland — Ljubo Stefanov, Tamara Kotevska, Atanas Georgiev

MELHOR ANIMAÇÃO

Toy Story 4
Como Treinar o Seu Dragão 3
Missing Link
I Lost My Body
Klaus

MELHOR TRILHA SONORA

1. 1917 
2. Coringa 
3. História de um Casamento 
4. Adoráveis Mulheres 
Star Wars: A Ascenção Skywalker 

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

1. "(I'm Gonna) Love Me Again" — Rocketman
2. "Stand Up" — Harriet 
3. "Into the Unknown" — Frozen II
"I'm Standing with You" — Breakthrough
"I Can't Let You Throw Yourself Away" — Toy Story 4

MELHOR EDIÇÃO

O Irlandês — Thelma Schoonmaker
Ford vs. Ferrari — Andrew Buckland & Michael McCusker
Coringa — Jeff Groth
Parasita — Yang Jin-mo
Jojo Rabbit — Tom Eagles

MELHOR FOTOGRAFIA

Era Uma Vez em... Hollywood — Robert Richardson
1917 — Roger Deakins
O Irlandês — Rodrigo Prieto
Coringa — Lawrence Sher
O Farol — Jarin Blaschke

MELHOR FIGURINO

O Irlandês — Sandy Powell, Christopher Peterson
Coringa — Mark Bridges
Era Uma Vez em... Hollywood — Arianne Phillips
Adoráveis Mulheres — Jacqueline Durran
Jojo Rabbit — Mayes C. Rubeo

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO

Era Uma Vez em... Hollywood
O Irlandês
1917
Parasita
Jojo Rabbit

MELHOR MAQUIAGEM/PENTEADOS

O Escândalo
Coringa
Judy
1917
Malévola: Dona do Mal

EDIÇÃO DE SOM

1917
Coringa
Ford vs. Ferrari
Era Uma Vez em... Hollywood
Star Wars: A Ascenção Skywalker

MIXAGEM DE SOM

1917
Era Uma Vez em... Hollywood
Ad Astra
Coringa
Ford vs. Ferrari

EFEITOS VISUAIS

O Rei Leão
1917 
O Irlandês
Vingadores: Ultimato
Star Wars: A Ascenção Skywalker

sábado, 11 de janeiro de 2020

OSCAR 2020 — As Apostas (categorias técnicas)


EDIÇÃO

1. O Irlandês
2. Era Uma Vez em... Hollywood
3. Ford vs. Ferrari
4. Coringa
5. Parasita

pode entrar
Jojo Rabbit • Joias Brutas

FOTOGRAFIA

1. Era Uma Vez em... Hollywood
2. 1917
3. O Irlandês
4. Retrato de uma Jovem em Chamas
5. Ford vs. Ferrari

pode entrar
Coringa • Parasita • O Farol • Ad Astra • Adoráveis Mulheres

DESIGN DE PRODUÇÃO

1. Era Uma Vez em... Hollywood
2. O Irlandês
3. 1917
4. Parasita
5. Coringa

pode entrar
Jojo Rabbit • Ad Astra • Adoráveis Mulheres

FIGURINO

1. Era Uma Vez em... Hollywood
2. Adoráveis Mulheres
3. Meu Nome é Dolemite
4. Jojo Rabbit
5. Downton Abbey

pode entrar
Rocketman • 1917 • O Irlandês

MAQUIAGEM & PENTEADOS

1. O Escândalo
2. Coringa
3. Rocketman
4. Judy
5. Meu Nome é Dolemite

pode entrar
Downton Abbey • Era Uma Vez em... Hollywood

TRILHA SONORA

1. 1917
2. Coringa
3. História de um Casamento
4. Adoráveis Mulheres
5. Nós

pode entrar
Jojo Rabbit • Star Wars: A Ascenção Skywalker • Dor e Glória


CANÇÃO ORIGINAL

1. "(I'm Gonna) Love Me Again" — Rocketman
2. "Stand Up" — Harriet 
3. "Into the Unknown" — Frozen II
4. "Spirit" — O Rei Leão
5. "Glasgow" — Wild Rose

pode entrar
"A Glass of Soju" — Parasita
"I'm Standing with You" — Breakthrough
"Letter to my Godfather" — The Black Godfather
"I Can't Let You Throw Yourself Away" — Toy Story 4
"Speechless" — Aladdin

EDIÇÃO DE SOM

1. 1917
2. Coringa
3. Ford vs. Ferrari
4. Ad Astra
5. Era Uma Vez em... Hollywood

MIXAGEM DE SOM

1. 1917
2. Era Uma Vez em... Hollywood
3. Rocketman
4. Coringa
5. Ford vs. Ferrari


EFEITOS VISUAIS

1. O Rei Leão
2. O Irlandês
3. Vingadores: Ultimato
4. Star Wars: A Ascenção Skywalker
5. Alita: Anjo de Combate

pode entrar
1917 • Gemini Man

OSCAR 2020 — As Apostas (categorias principais)


FILME

1. Parasita
2. O Irlandês
3. 1917
4. Era Uma Vez em... Hollywood
5. História de um Casamento
6. Jojo Rabbit
7. Adoráveis Mulheres
8. Coringa
9. Ford vs. Ferrari
10. The Farewell


Dois Papas • Entre Facas e Segredos As Golpistas Joias Brutas • Uma Vida Oculta • Richard Jewell • Nós

DIREÇÃO

1. Sam Mendes — 1917
2. Martin Scorsese — O Irlandês
3. Bong Joon-Ho — Parasita
4. Quentin Tarantino — Era Uma Vez em... Hollywood
5. Greta Gerwig — Adoráveis Mulheres

Noah Baumbach — História de um Casamento
Todd Phillips Coringa
Taika Waititi — Jojo Rabbit
Lulu Wang — The Farewell
Jordan Peele — Nós

ATRIZ

1. Renee Zellweger — Judy
2. Awkwafina — The Farewell
3. Lupita Nyong'o — Nós 
4. Scarlett Johansson — História de um Casamento
5. Charlize Theron — O Escândalo

Saoirse Ronan — Adoráveis Mulheres
Cynthia Erivo — Harriet
Constance Wu — As Golpistas
Jessie Buckley — Wild Rose
Mary Kay Place — Diane

ATOR

1. Joaquin Phoenix — Coringa
2. Adam Driver — História de um Casamento
3. Antonio Banderas — Dor e Glória
4. Leonardo DiCaprio — Era Uma Vez em... Hollywood
5. Eddie Murphy — Meu Nome é Dolemite

Robert De Niro — O Irlandês
Taron Egerton — Rocketman
Jonathan Pryce — Dois Papas
Christian Bale — Ford vs. Ferrari
Adam Sandler — Joias Brutas

ATRIZ COADJUVANTE

1. Laura Dern — História de um Casamento
2. Margot Robbie — O Escândalo
3. Jennifer Lopez — As Golpistas
4. Shuzhen Zhao — The Farewell
5. Florence Pugh — Adoráveis Mulheres

Scarlett Johansson — Jojo Rabbit
Nicole Kidman — O Escândalo
Annette Bening — O Relatório
Kathy Bates — Richard Jewell
Maggie Smith — Downton Abbey

ATOR COADJUVANTE

1. Brad Pitt — Era Uma Vez em... Hollywood
2. Anthony Hopkins — Dois Papas
3. Tom Hanks — Um Lindo Dia na Vizinhança
4. Joe Pesci — O Irlandês
5. Al Pacino — O Irlandês

Song Kang Ho — Parasita
Alan Alda — História de um Casamento
Willem Dafoe — O Farol
Jamie Foxx — Just Mercy
Sam Rockwell — Richard Jewell / Jojo Rabbit

ROTEIRO ORIGINAL

1. Era Uma Vez em... Hollywood
2. História de um Casamento
3. Parasita
4. The Farewell
5. Entre Facas e Segredos

pode entrar
Fora de Série  1917  Dor e Glória

ROTEIRO ADAPTADO

1. Dois Papas
2. O Irlandês
3. Adoráveis Mulheres
4. Jojo Rabbit
5. Coringa

pode entrar
Um Lindo Dia na Vizinhança  Toy Story 4

FILME INTERNACIONAL

1. Parasita — Coreia do Sul (dir. Bong Joon-Ho)
2. Dor e Glória — Espanha (dir. Pedro Almodóvar)
3. Les Misérables — França (dir. Ladj Ly)
4. Atlantique — Senegal (dir. Mati Diop)
5. Beanpole — Rússia (dir. Kantemir Balagov)

pode entrar
Corpus Christi (Polônia, dir. Jan Komasa)

DOCUMENTÁRIO

1. American Factory
2. Honeyland
3. For Sama
4. One Child Nation
5. Democracia em Vertigem

pode entrar
Apollo 11  The Cave • Maiden

ANIMAÇÃO

1. Toy Story 4
2. Como Treinar o Seu Dragão 3
3. Missing Link
4. Frozen II
5. I Lost My Body

pode entrar
Klaus  Abominável

terça-feira, 7 de janeiro de 2020

GLOBO DE OURO 2020


Apesar de algumas escolhas interessantes nos prêmios de cinema e televisão, o Globo de Ouro desse ano teve uma de suas apresentações mais fracas. Ricky Gervais não foi longe do que já fez nas edições anteriores, ao ousar, mas teve uns três ou quatro momentos engraçados. Ainda acho que se eles apostarem numa dupla pra apresentar, tipo a Tina e a Amy, a coisa fica melhor. 

A premiação estava envolta no clima de tensão e atenção para o que "acontece no mundo real", como disse o Ricky, com muitos discursos políticos pontuando os incêndios que estão devastando a Austrália e a ameaça de guerra entre EUA e Irã. Apesar disso, a noite foi mais quieta nesse aspecto do que o esperado. Como a Patricia Arquette falou, quando as pessoas forem se lembrar desse momento, vão se lembrar da guerra que está em ameaça. E importante notar que muita gente, ao invés de criticar o governo, lembrou às pessoas para saírem e votarem, pois nos EUA o voto não é obrigatório, afinal, quanto maior o número de votantes, mais difícil fica de intervirem nos resultados.

Por outro lado, foi uma edição mais normal nos prêmios, com escolhas mais convencionais, algumas surpresas. Feliz porque o filme do Tarantino ganhou 3 prêmios e realmente os merecia, foi uma das grandes sessões de cinema do ano passado e eu gosto muito do filme. 1917 virou o jogo e levou filme e direção para o Sam Mendes, uma grande surpresa. E cresce a vontade de assistir o filme. Bong Joon-Ho, diretor de Parasita, disse que "na hora que os americanos superarem a barreira das legendas, eles serão apresentados a filmes incríveis". 

Entre algumas vitórias que eu gostei de ver, uma delas foi a da Awkwafina, que ganhou prêmio de Atriz por The Farewell. Legal ver ela emocionada recebendo o prêmio por um filme independente, ainda mais ela que até 2019 era uma atriz em ascenção em Hollywood, e agora tem muitas chances de ir pro Oscar. Eddie Murphy, que retornou ao radar do Oscar esse ano, estava ótimo em Dolemite, mas não ganhou o prêmio de ator que devia levar. Joaquin Phoenix, um ator que eu gosto muito, ganhou como Melhor Ator, e Renee Zellweger fez um discurso agradecendo por ter sido "incluída" de novo após 17 anos dela ter ascendido ao estrelato em Hollywood e, depois, foi descartada pela indústria.

E os coadjuvantes da noite foram Brad Pitt e Laura Dern, dois atores que nunca ganharam o Oscar e que parecem se aproximar mais da estatueta agora. E outros atores que também não costumam ser lembrados com frequência foram destaque nos prêmios de TV: Michelle Williams e Stellan Skarsgard. Os homenageados da noite foram Tom Hanks e Ellen DeGeneres, que deram discursos bem longos e cheios de emoção e ternura. 

E, das séries, os destaques da noite foram Fleabag (que eu até cheguei a acompanhar em setembro) e Succession (que foi dirigida pelo Adam McKay). E outros títulos que merecem a nossa atenção. Do Globo de Ouro desse ano, fica o reconhecimento desses trabalhos e uma série de títulos e filmes que ainda devem ser conferidos.

Alguns trabalhos da TV que estão na lista dos indicados e que eu me interessei:
The Morning Show
Succession
Fleabag (não vi a 2ª)
Fosse/Verdon
The Loudest Voice

FILME (DRAMA)

1917


FILME (COMÉDIA OU MUSICAL)

Era Uma Vez em... Hollywood


DIREÇÃO

Sam Mendes — 1917


ATRIZ (DRAMA)

Renée Zellweger — Judy


ATOR (DRAMA)

Joaquin Phoenix — Coringa


ATRIZ (COMÉDIA OU MUSICAL)

Awkwafina — The Farewell


ATOR (COMÉDIA OU MUSICAL)

Taron Egerton — Rocketman


ATRIZ COADJUVANTE
Laura Dern — História de um Casamento


ATOR COADJUVANTE

Brad Pitt — Era Uma Vez em... Hollywood


ROTEIRO

Era Uma Vez em... Hollywood

FILME ESTRANGEIRO
Parasita (Bong Joon-Ho — Coreia do Sul)

ANIMAÇÃO
Missing Link

TRILHA SONORA
Coringa


CANÇÃO ORIGINAL

"I'll Love Me Again"
Rocketman


SÉRIE (COMÉDIA OU MUSICAL)

Fleabag


SÉRIE (DRAMA)

Succession

ATOR (SÉRIE DRAMÁTICA)
Brian Cox — Succession

ATOR (SÉRIE COMÉDIA OU MUSICAL)
Ramy Youssef — Ramy

ATRIZ (SÉRIE DRAMÁTICA)
Olivia Colman — The Crown

ATRIZ (SÉRIE COMÉDIA OU MUSICAL)
Phoebe Waller-Bridge — Fleabag

terça-feira, 31 de dezembro de 2019

BACURAU (2019)


BACURAU profetiza um Brasil próximo, mas cujo futuro depende da ponte que a nação de hoje mantém com seu passado. E faz isso através de uma fábula política travestida de nordestern, e que se permite não apenas construir uma alegoria absurdamente honesta de uma nação dividida pelas diferenças (de classe, regional, étnica), mas uma distopia em que somos retirados do mapa e assassinados aos poucos. BACURAU incorpora as tensões, a brutalidade e o torpor no Brasil de agora, mas ele vai além disso, é mais complexo. É o filme que representa, entre outras coisas, tudo o que se encontra entre a indignação da população e o falso nacionalismo na classe política. É entre um e outro que está BACURAU, o palco do banho de sangue, da profetização da negação de um país e de sua cultura, e da guerra declarada entre quem quer salvar e quem quer destruir uma nação. KMF e Dornelles, e a equipe toda desse filmão inesquecível, obrigado por uma pérola que, além de simbolizar o cinema brasileiro no seu melhor, é o retrato mais sincero possível da chacina política do Brasil 2019. E da resistência popular. 

Todos os brasileiros deveriam assistir BACURAU.

Bacurau
dir. Kleber Mendonça Filho, Juliano Dornelles (Brasil, 2019)

ATLANTIQUE (2019)


Mati Diop filma o amor, o mar, o mistério e os fantasmas como quem espera que eles contem algum segredo, não em palavras, mas em forma de cinema. E eles contam. É um belo, lindo filme de estreia. Diop confirma que é promissora com um filme que mistura romance e suspense, com momentos que flutuam e uma atenção especial pros detalhes que contribuem pra atmosfera fantasmagórica. É um filme especial na maneira como carrega os personagens pra dentro dessa atmosfera, e filma ela com ternura. Misterioso, tenro e sereno, quase mágico, esse filme. Atlantique tem a natureza de um suspense, mas são perceptíveis os cuidados da diretora com a sua forma e com os elementos mais essenciais que ajudam a construir sua narrativa misteriosa. 

Atlantique
dir. Mati Diop (Senegal, 2019)
★★½